segunda-feira, 25 de julho de 2016

Faltas....

Se faz falta... faz... 
Faz falta o toque como se fosse a primeira vez que a pele se encontra... faz falta o beijo que apresenta os lábios. .. faz falta o sorriso de bom dia pela manhã. .. faz falta o abraço que protege do ruído do mundo....faz falta... faz... mas a vida é feita de esperas... e espera-se que um dia tais almas se apresentem..
Até lá o que fazemos é correr atrás dos dias... das horas... dormentes até que o corpo decida recomeçar a sentir....
Quero mais da vida, quero sentir ... quero sair deste estado de dormência. Mas para aprender a sentir, há que aprender a esperar. O paraíso não se encontra ao virar da esquina, exige sacrifício, exige perdas. Para que me possa encontrar tenho de me perder, de largar tudo o que me prende ao passado, as expectativas de futuro que se construíram. 
E de repente... no nada... algo surgirá, algo renasce...  a nossa essência transforma-se e um novo eu emerge.
É preciso deixar morrer a melhor parte de nós, aquela que agarramos com todas as nossas forças... a doce e amarga lembrança de ter amado...  
Se faz falta... faz.... mas sempre que algo nos abandona, algo novo nos preenche... vamos acreditar que a falta cessará, que as esperas terminaram... e que o paraíso se encontra no mesmo sitio onde estão os sorrisos involuntários, onde os cantos da boca se encontram... onde a pele se reconhece,... naquele instante em que deixamos de estar sós e passamos a estar completos...